Grafitti com Ibn Battouta - Tânger - Marrocos © Viaje Comigo Tânger - Marrocos © Viaje Comigo
Publicado em Agosto 22, 2018

Viagem ao norte de Marrocos

África/ Marrocos

Na minha viagem ao norte de Marrocos, o percurso começou em Tânger, passando depois em Tétouan e Chefchaouen. E essa viagem fez parte de uma maior que também passou por Fez, Rabat e Casablanca. E o primeiro aviso que me fizeram foi para me dizer que as cidades do norte são muito diferentes – isto porque conhecia melhor Marraquexe, na altura.

Chefchaouen - Marrocos © Viaje Comigo

Chefchaouen – Marrocos © Viaje Comigo

Na Medina de Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Na Medina de Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

Em 2016, voei com a TAP para Tânger, a partir de Lisboa, e regressei por Casablanca. O voo para Tânger fez-se de noite e, por isso, quando cheguei ao hotel nem me apercebi que o mar estava ali mesmo em frente. E a primeira coisa que fazem, quando sabem que somos portugueses, é falar espanhol connosco. A proximidade é tão grande que, em dias de céu limpo, se consegue ver a costa espanhola, a partir da parte alta de Tânger.

Camelos nas praias de Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Camelos nas praias de Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

Cabo Spartel - Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Cabo Spartel – Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

Escrevi na altura da visita: “Tânger vive em permanente encruzilhada, entre as culturas europeia e marroquina, entre África e a Europa e entre Mediterrâneo e Atlântico Atualmente, é uma cidade moderna que cruza a cultura marroquina com os tiques europeus e é um local onde muitos falam espanho”. Na verdade, a sua posição geográfica sempre a tornou desejável e, por isso, mudou de mãos várias vezes, tendo isso ficado marcado em diferentes aspetos até aos dias de hoje.

– Procura hotéis para a sua viagem em Marrocos? Pesquise aqui

Buscar hotel

Destino
Data de entrada
Data de saida
Vista dos telhados - Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Vista dos telhados – Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

Grand Cafe de Paris - Tânger Marrocos © Viaje Comigo

Grand Cafe de Paris – Tânger Marrocos © Viaje Comigo

Por Tânger, os cinemas e os cafés antigos são locais históricos que foram frequentados, em tempos, por poetas, pintores, fotógrafos e escritores, vindos de todo o mundo. Alguns mudaram-se para Tânger, outros vinham durante temporadas onde se inspiravam para as suas obras.

Entre os locais mais conhecidos, e frequentados pelos artistas, estavam o Hotel el Minzah, o Hotel Continental, o Gran Café de Paris ou o Café Fuentes. E pela mítica “Librairie dês Colonnes”, aberta desde 1949, passaram nomes como Samuel Beckett, Jean Vassoura, Juan Goytisolo, Tennessee Williams, Truman Capote, Paul Morand, Jane e Paul Bowles, Mohamed Choukri e Tahar Ben Jelloun, entre muitos outros.

Café Hafa - Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Café Hafa – Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

Se estiver de carro, depois de visitar as Grutas de Hércules e o Cabo Spartel, vai passar por uma zona cheia de moradias – que parece quase Beverly Hills – onde estão embaixadas e casas de personalidades. E, a partir daí, desenvolvem-se os bairros de diferentes nacionalidades como o bairro italiano, o americano, o inglês (com igreja protestante), o bairro espanhol e, claro, um bairro português.

Grutas de Hércules, Tânger, Marrocos © Viaje Comigo

Grutas de Hércules, Tânger, Marrocos © Viaje Comigo

As ruas e a organização da cidade ainda têm muitos vestígios da ocupação portuguesa. No entanto, com o passar dos tempos, a Medina transformou-se com as pequenas artérias que a mudaram para o típico labirinto marroquino – mas não tão grande como noutras cidades. A melhor forma de conhecer Tânger é percorrer a pé a cidade antiga e depois ficar a conhecer, de carro, a modernização junto da costa.

Cinema Rif - Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Cinema Rif – Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

Necrópoles em Tânger - Marrocos © Viaje Comigo

Necrópoles em Tânger – Marrocos © Viaje Comigo

A Boulevard Pasteur é a artéria principal da cidade nova e no final da alameda está a Praça de Faro e os seus canhões, com uma vista panorâmica sobre o porto e baía, e com tempo limpo, avista-se facilmente a costa espanhola. Infelizmente no dia em que lá estivemos, está um bocadinho de nevoeiro o que impediu que víssemos a terra espanhola. E sabe como chamam os Tangerinos a este local? O “Sour Al Maâgazine”, ou seja, o “Muro dos preguiçosos”, já que são muitos os que passam aqui longas horas simplesmente a olhar para os navios que atravessam o estreito.

FIQUE A SABER MAIS DE TÂNGER E O QUE VISITAR

De Tânger partimos para Chefchaouen, mas a meio do caminho fizemos uma paragem em Tétouan (Tetuão), cidade fundada no século III a.C. com uma medina classificada como Património Mundial da Humanidade da UNESCO. A medina está dividida em três áreas: a andaluza, com exemplos da arquitetura espanhola, o Bairro Judeu e o bairro Berbere. Por não ser uma cidade muito turística, é possível passear nos souks sem que ninguém o aborde para comprar alguma coisa.

É um passeio agradável numa cidade que, tal como Tânger, reúne aspetos culturais europeus e marroquinos. Como os souks são também super tranquilos é um bom local para provas de frutos secos, os doces torrões e até da típica pastelaria marroquina.

FIQUE A SABER MAIS DE TÉTOUAN E O QUE VISITAR

Tétouan - Marrocos © Viaje Comigo

Rua de ourivesarias na medina – Tétouan – Marrocos © Viaje Comigo

Tétouan - Marrocos © Viaje Comigo

Nas ruas de Tétouan – Marrocos © Viaje Comigo

Tétouan - Marrocos © Viaje Comigo

Bab Okla – Tétouan – Marrocos © Viaje Comigo

Depois da paragem em Tétouan, voltámos ao carro e fazemos as estradas até Chefchaouen, numa viagem que dura pouco mais de uma hora – mas, se apanhar camiões na estrada é natural que duplique o tempo gasto, por causa do trânsito e por não conseguir ultrapassar.

Muito provavelmente, Chefchaouen tornou-se nos últimos anos uma das cidades mais fotografadas de Marrocos. O facto de ter as ruas pintadas de azul e branco, valeu-lhe uma correria de turistas que quer descobrir este Marrocos tão diferente de Marraquexe, também muito turística.
Situada nas montanhas do Rif ocidental, Chefchaouen tem fontes de água potável: “O primeiro ponto de paragem foi junto da cascata de água que desce, de forma natural, pelas montanhas do Rif ocidental. A água fresca serve para lavar a roupa, junto dos tradicionais lavadouros de pedra. E a roupa, colorida, lá está estendida nos arbustos, ao sol, num bonito e soalheiro dia de outubro”, escrevi eu sobre a primeira impressão de Chefchaouen.

Descemos depois para almoçarmos no Dar Echchaouen. É um Riad com alojamento, mas tem o restaurante também aberto a quem não é hóspede. E vale a pena lá ir. A comida é boa e o ambiente melhor ainda. E é uma boa forma de entrar no espírito de Chefchaouen: uma espécie de slow city de Marrocos. Aqui não há correrias, nem souks a abarrotar de gente, com vendedores insistentes. É verdade que Chefchaouen despertou para o turismo nos últimos anos, mas continua a ser um local, comparado com outras cidades marroquinas, muito menos procurado.

Hoje em dia, Chefchaouen conserva o seu património histórico, nomeadamente a sua Kasbah com uma arquitetura imponente. Além de sua importância militar, possui também um importante património religioso, onde se incluem 20 mesquitas e oratórios, 11 zaouias e 17 mausoléus, que lhe valeu o nome de Cidade Santa (El-Madina Es-Saliha). Aliás, uma das mesquitas é mais falada porque tem o minarete octogonal e, diz-nos o guia, “não há muitas assim em todo o Marrocos… talvez umas quatro ou cinco no máximo”.

FIQUE A SABER MAIS DE CHEFCHAOUEN E O QUE VISITAR

SIGA TAMBÉM AS DICAS DO VIAJE COMIGO PARA AS OUTRAS CIDADES EM MARROCOS

FEZ

CASABLANCA

RABAT

Comentários

Poderá também gostar de

Regressar ao topo