Rotas da Gardunha © Viaje Comigo Rotas da Gardunha © Viaje Comigo
Publicado em Junho 4, 2020

Percursos na Serra da Gardunha, Portugal

Centro/ Portugal

Na área do concelho do Fundão existem muitas rotas e percursos pedestres que pode fazer e muitos deles servem para explorar a Serra da Gardunha. Situada na Beira Baixa, entre os concelhos do Fundão e de Castelo Branco – no centro de Portugal – esta serra tem 1227 metros de altitude, 20 Km de comprimento e 10 Km de largura. Sabiam que Gardunha é uma palavra árabe que significa “refúgio”?

Calçada romana, saída de Alpedrinha - Rotas da Gardunha © Viaje Comigo

Calçada romana, saída de Alpedrinha – Rotas da Gardunha © Viaje Comigo

Quando estive a visitar a Vila de Alpedrinha, decidi seguir o caminho da calçada romana que nos leva à Serra da Gardunha. Infelizmente, o caminho não estava muito “limpo”, ou seja, por causa da pandemia da Covid-19 as ervas altas ainda não tinham sido limpas e era difícil encontrar o chão, em certos pedaços do percurso e, inclusive, encontrámos algumas árvores caídas a cortar o caminho.

Importante, antes da caminhada:
– Leve calçado e roupa confortável e leve.
– Leve água para se hidratar durante o percurso.
– Não deixe lixo pelo caminho.
– Leve binóculos para a observação de pássaros.
– Leve telemóvel/máquina fotográfica para as imagens das vistas.

Caminho Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

Caminho Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

DIVERSÃO NA SERRA DA GARDUNHA: PARQUE DO CONVENTO

Na serra da Gardunha vai encontrar o Parque do Convento que é um parque aventura, situado numa das saídas poentes da cidade do Fundão, junto ao Parque de Campismo e à ruína do antigo Convento de Santo António. E é um espaço para todas as idades se divertirem!
O Parque do Convento tem circuitos de Arvorismo (sénior e infantil), parede de escalada, Centro de BTT (com pista de aprendizagem e treino); tiro ao arco; zarabatanas; aluguer de bicicletas; e circuito de manutenção – inclui ainda hortas pedagógicas e um parque de merendas para dias de lazer.

Calçada romana, saída de Alpedrinha - Rotas da Gardunha © Viaje Comigo

Calçada romana, saída de Alpedrinha – Rotas da Gardunha © Viaje Comigo

ROTAS E PERCURSOS PEDESTRES PARA FAZER NA SERRA DA GARDUNHA

CAMINHO EUGÉNIO DE ANDRADE
PR12 FND
Tem uma distancia de 5,2Km e demorará cerca de 1h20 minutos.
É um percurso circular.
Porque tem o nome do escritor? “O percurso propõe uma abordagem interrogativa e intimista da paisagem a partir do sentir poético de Eugénio”.

Percorre um itinerário que circunda a aldeia de Póvoa de Atalaia, com início e fim junto da Casa da Poesia, a antiga Escola da aldeia.
O caminho vai levá-lo pelo adro da Igreja Matriz, dedicada ao Mártir Santo Estevão, passando pelas pitorescas ruas. A “volta” não estaria certa se não passasse por onde o poeta nasceu: o Lugar da Casa. O percurso sai depois da aldeia e entra dentro no meio rural e na serra da Gardunha.

O caminho, que é circular, trá-lo de volta à aldeia pela ponte romana e segue até à Capela de São Sebastião. Em janeiro, a Póvoa de Atalaia promove a Festa das Papas , onde a população oferece papas de milho e filhós como promessa pelo santo, que os livrou de uma praga de gafanhotos a sul da Gardunha.
A rota continua pela aldeia passando pela Capela de São Jacinto e Ribeira da Azenha, locais onde Eugénio de Andrade cresceu.

“De palavra em palavra
a noite sobe
aos ramos mais altos
e canta
o êxtase do dia”, Eugénio de Andrade

ROTA DA PORTELA DA GARDUNHA
PR6 FND
Tem uma distância de 12,8Km e demorará cerca de 3h40 minutos a ser finalizada.
É um percurso circular, que parte e acaba na aldeia de Alcaide, na Praça Comendador Joaquim Gil Pinheiro.

Susana Ribeiro nas Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

Susana Ribeiro nas Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

ROTA DOS CASTANHEIROS
PR9 FND
Tem uma distância de 13 Km e demorará cerca de 4 horas a ser finalizada.

Percurso circular com dois pontos de partida: Donas e Alcongosta.
Aproveitando a temática dos castanheiros e das explorações agrícolas e suas levadas, o percurso embrenha-nos pela diversidade do coberto florestal da encos- ta norte da Serra da Gardunha entre bosques de Castanheiros (Soutos) e Carvalhos, socalcos de Cerejais em plena produção, nascentes e ribeiras que são refúgios da vida vegetal e animal autóctone destes vales e encostas.

Partindo da aldeia de Donas sobe-se em direcção à aldeia de Alcongosta, passando por antigas levadas e pomares de cerejais. Chegados ao Largo da Praça em Alcon- gosta, iniciamos a descida passando sobre a A23, até à Quinta das Pedralvas. Iniciamos a subida em direcção à serra. Atravessa-se um denso bosque de castan- heiros, num ambiente florestal mágico e de uma enorme biodiversidade e contor- namos a encosta deslumbrando-nos com a vista panorâmica sobre a Cova da Beira. Inicia-se a descida até à EN18.
Segue-se por breves instantes a EN345, e vira-se à esquerda em direcção aos campos agrícolas de cerejais, até ao cruzamento de S. Macário.

Daí por diante, os cerejais acompanham-nos por toda a encosta até ao início da descida. Encon- tramos a “levada” por onde se deve seguir com o máximo de cuidado, visto que se trata de um caminho estreito. No final deste troço sobe-se por uma estrada de alcatrão até à Capela de Nossa Senhora do Souto e posteriormente até à Capela de São Roque e Igreja Matriz, onde, descendo a rua à esquerda, terminao percurso.

Locais de passagem: Alcongosta, Cerejais, Bosque de Castanheiros, Levadas e Moinhos, Aldeia de Donas.

“A Rota dos Castanheiros apresenta um conjunto de paisagens unificadas pela presença e pela memória da árvore identitária e emblemática do Fundão: o castanheiro. Árvore “pão”, durante séculos enraizou-se na encosta Norte da Serra formando um dos primeiros soutos nacionais. Esta espécie atesta-se documentalmente na Gardunha desde o século XIII.

Ecoa na tradição que D. Dinis terá mandado reflorestar esta fronteira verde da Cova da Beira. Espaços humanizados construídos durante várias épocas pelos saberes e pelas vontades das comunidades que juntam, no mesmo horizonte, as funções produtivas da paisagem e as memórias das encostas verdes traduzidas nos topónimos soutos (conjunto de castanheiros) e as materialidades da religiosidade das terras…” – mais informação, aqui.

Vista para a Cova da Beira e Serra da Estrela-  Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

Vista para a Cova da Beira e Serra da Estrela- Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

PR3 – ROTA DA PEDRA D’HERA
PR3 – FND
Percursos circular com 6,7 KM e a duração de cera de 1h50 minutos – com início na Praça do Município do Fundão ou no Parque do Convento. Saiba mais, aquihttp://cbtt.cm-fundao.pt/folheto_pedradhera_view.pdf.

A Rota da Pedra d´Hera une o Fundão ao monte a que é sombranceiro e que sustenta a rocha que pertence memória colectiva dos fundanenses dando nome a este percurso pedeste: a Pedra D’Hera. Miradouro natural por excelência é envolta por um coberto vegetal e linhas de água cristalina que criam habitats propícios ao aparecimento e desenvolvimento de inúmeras espécies de fauna e flora.

Cerejas no caminho - Rotas da Gardunha © Viaje Comigo

Cerejas no caminho – Rotas da Gardunha © Viaje Comigo

ROTA DA MARATECA
PR4 FND-CTB
Percurso circular com 14Km de distância e com a duração de 3h30.

A Rota da Marateca desenvolve-se entre a vila da Soalheira, no concelho do Fundão, e as margens norte da Barragem de Santa Águeda na freguesia do Louriçal do Campo, concelho de Castelo Branco. A Albufeira de Santa Águeda recorda o nome de uma antiga capela medieval, que hoje se encontra submersa e substituída por outra edificada junto ao paredão. Marateca é nome de uma das principais Quintas da paisagem rural situada na orla da barragem.

Percurso circular com início no Largo de Santo António, na vila da Soalheira. Sobe-se para o centro da vila seguindo a rua que nos leva a Louriçal do Campo. Junto a um chafariz vira-se à esquerda ao encontro de caminhos rurais que nos levam pelas Quintas do Serrado e da Água D’Alto, onde se atravessa a Ribeira do Mioso. Deixam-se as pequenas hortas que são substituídas por grandes campos de pastagem e culturas de sequeiro, onde os rebanhos são presença constante. Segue-se até a um caminho alcatroado que se atravessa em direcção à Albufeira de Santa Águeda. Antes de chegar à ponte sobre o Ocreza, vira-se a esquerda por uma vereda e continua-se pela orla da albufeira.

Aqui encontram-se velhos carvalhos onde nidificam, em grande número, várias espécies de aves migratórias. Este local é de grande interesse para a observação da Avifauna. Seguindo para Norte, continua-se a vislumbrar o imenso plano de água e algumas aves aquáticas que por ali passeiam. Deixa-se a albufeira e, após atravessar a pequena ponte sobre a Ribeira do Mioso, segue-se até ao caminho alcatroado. Percorre-se este caminho cerca de 500 metros e vira-se à esquerda por um caminho rural. Voltamos a entrar no mundo das pequenas hortas muradas que nos conduzem de regresso à Soalheira.

ATENÇÃO:
Não é recomendável realizar a Rota com a Barragem nos níveis máximos, sendo apenas recomendado para o fim da Primavera, o Verão e o início do Outono.
Locais de passagem: Vila da Soalheira, Quintas e Campos de Pastoreio, Albufeira de Santa Águeda.

Caminho Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

Caminho Rotas da Serra da Gardunha © Viaje Comigo

Comentários

Poderá também gostar de

Regressar ao topo