Península do Maraú, em Barra Grande
Publicado em Fevereiro 24, 2014

Viajar para Bahia, Praia do Forte, Salvador e Barra Grande, no Brasil

Américas/ Brasil [ Bahia/ Salvador ]

No Viaje Comigo gostámos de ouvir e ler histórias de viagens de todo o mundo. Por isso, convidámos também outros viajantes a partilharem as suas histórias.

Com a revista digital Mulher Viajante vamos ter histórias de vários locais, com maior destaque para o Brasil. Uma parceria que privilegia as experiências de quem conheceu os locais e nos conta como foi, com preciosas dicas.

Praia do Forte

Praia do Forte. Crédito: Sidarta Produções e Aline Freire

Neste caso, a viagem vai passar pela Bahia, com passagem pela Praia do Forte, Salvador e em Barra Grande, na Península do Maraú. A viajante é a jornalista brasileira Christiane Nociti que queria “desfrutar de um destino onde pudesse estar com o pé na areia, admirar a noite estrelada e tomar banhos de sol, além de poder dançar ao ritmo de música brasileira para alegrar a alma”.

O destino foi a Bahia, onde durante 30 dias visitou vários locais. Aterrou no aeroporto de Salvador e, de lá, pela Estrada do Coco (BR-099), fez 80 quilómetros até à Praia do Forte.

“Aquela antiga vila de pescadores foi meu endereço há alguns anos, por isso é um lugar todo especial. Lá, eu esperava reencontrar velhos amigos e desfrutar de um local abençoado pela obra divina – a natureza, visível pelos tons do entardecer, a água cristalina das piscinas naturais que se formam ao longo da costa, a variedade de cores do mundo aquático meio aos corais”, descreve a jornalista que aconselha a que se provem “os queijos coalhos, a água de côco e as famosas roskas” (que são as “caipiroskas”).

Praia do Forte

Arco-íris na Praia do Forte. Crédito: Sidarta Produções e Aline Freire

Praia do Forte

“Este é um local onde a simplicidade e a sofisticação se completam. Há novas pousadas na Praia do Forte e grandes resorts e hotéis de redes internacionais que se instalaram no local e oferecem alojamento de alto nível, como o caso do Tivoli Hotel, o Iberostar e o Grand PalladiumImbassai Resort e SPA.

Encontrar um apartamento de aluguer na Praia do Forte também é uma boa opção, e eu preferi ficar numa charmosa casa de praia chamada Sol da Terra. Lá, é possível alugar um quarto ou então a casa inteira”, aconselha Christiane Nociti.

“Os amantes da noite podem tomar uma cervejinha, bem gelada, nos diversos bares da vila. A parada obrigatória, tanto de turistas como de pessoas locais, é o Souza Bar (conhecido, simplesmente, como “Bar do Souza”), onde o ritmo é o Axé e as bebidas refrescam o calor típico nordestino.

Na hora do almoço, são servidas as melhores moquecas de camarão de Barra Grande. Como entrada, não deixe de provar os apetitosos bolinhos de peixe. Se preferir moqueca de polvo, vá até a barraca de praia da Tia Maura, que fica no areal perto da pequena igreja da vila”

Pelourinho, Salvador

Pelourinho, Salvador. Crédito: Sidarta Produções e Aline Freire

O que fazer em Salvador: cultura!

Christiane Nociti ficou alojada na Praia do Forte e de lá aproveitou a programação cultural da capital baiana. “Há sempre coisas para fazer em Salvador”, conta a jornalista.

Para saber sobre os eventos que acontecem por lá, basta ficar atenta à agenda cultural de Salvador

“Vale a pena mencionar que, contrária à insegurança que muitas vezes senti no Pelourinho, desta vez foi um passeio tranquilo, já que a região estava bem policiada”.

Península do Maraú, em Barra Grande

Península do Maraú, em Barra Grande. Crédito: Sidarta Produções e Aline Freire

Rumo ao sul para chegar a Barra Grande

“Atravessei a balsa de Salvador até Bom Despacho, na Ilha de Itaparica, e desci a Costa do Dendê (BA-001) para chegar ao meu próximo destino: Barra Grande, na Península de Maraú”, explica a jornalista que dá dicas sobre os transportes e como chegar à Barra Grande:

“Há barcos, de hora em hora, saindo de Camamu (R$ 6 por pessoa, até às 17h30) ou lanchas rápidas, península do marauque encurtam a viagem de 1h30 para apenas meia hora (R$ 25 por pessoa, às 7h, 9h, 13h e 16h30).

Se vier de qualquer outro ponto do país, o aeroporto de Ilhéus é o mais próximo a Camamu e tem locais para alugar carro (se for na época alta, alugue antecipadamente – veja como alugar aqui). Há vários estacionamentos em Camamu com diárias que variam de R$ 5 a R$ 8″.

“Durante a viagem de barco pude apreciar o azul infinito do oceano, o verde imponente da mata nas ilhas ao redor e, principalmente, pude elevar o meu estado de espírito. A contemplação veio à tona e deixei para trás a agitação, o barulho, e aos poucos fui me consciencializando de que dias serenos chegaram.

Fora da época alta, há chuvas intensas e a vida noturna é muito tranquila, o que não acontece no verão. O destino é palco de festas conceituadas, como o festival Café de La Musique, entre outras”.

“A charmosa vilinha da Barra Grande tem grande variedade gastronómica. No encontro do mar com o Rio Carapitangui está o Bar da Rô, que é um restaurante e beach bar que oferece uma maravilhosa roska de tangerina, música de qualidade e um pôr do sol exuberante.

Para apreciar um almoço contemporâneo, eu indico o restaurante Donana (na Rua do Anjo); já se preferir uma autêntica pizza italiana, dirija-se ao Pinóquio (na Rua J – Três Coqueiros). Quando o orçamento é apertado, é melhor escolher um PF no restaurante Fonte dos Frades (Rua Desembargadora Olni Silva)”, sugere a viajante.

“A pausa entre as refeições pode ser preenchida com passeios de barco pela baía de Camamu, que é a terceira maior do Brasil em volume de águas.

Os tours mais populares que saem do cais vão até a barra grandeIlha da Pedra Furada, Campinho, Sapinho, Ilha do Goió e também a Ilha Grande. Lá é possível tomar banhos de mar”.

Península do Maraú, em Barra Grande

Península do Maraú, em Barra Grande. Crédito: Sidarta Produções e Aline Freire

E salienta a jornalista: “Uma viagem torna-se inesquecível principalmente pelas pessoas que cruzam os nossos caminhos. No meu caso, essa experiência aconteceu quando conheci um casal de Salvador, o chef Ronaldo Drummond e sua mulher, ambos proprietários da hospedagem onde fiquei, o Caiçara Bangalô.”

“Se procura pousadas em Barra Grande com bom atendimento, eu recomendo este. O local é acolhedor e gracioso, engrandecido pela simpatia do casal que recebe seus hóspedes como uma verdadeira família.

Os bangalôs (bungalows) são bonitos, com acabamentos simples e rústicos, e tão perto da natureza que é possível sentir a brisa do oceano e escutar os sons do mato.

A casa deles fica a poucos metros e, quando você menos esperar, surge o aroma das refeições preparadas pelo chef, que cozinha por puro prazer. Dica para casal: os jantares à luz de velas poder ser reservados para quem busca romance ao ar livre!”

Conteúdo através da parceria do Viaje Comigo com a revista digital Mulher Viajante (texto editado).

Comentários

Poderá também gostar de

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Regressar ao topo