Ponte Suspensa dos Passadiços do Paiva - liga a margem da freguesia de Canelas à freguesia de Alvarenga © Direitos Reservados
Publicado em Agosto 14, 2015

12 coisas que tem de saber sobre os Passadiços do Paiva

Portugal [ Arouca ]

Os Passadiços do Paiva são o destino de quem gosta de caminhar e desfrutar da natureza. Ficam na margem esquerda do Rio Paiva, no concelho de Arouca, distrito de Aveiro, e abriram ao público em junho de 2015.
Depois do incêndio que destruiu parte dos passadiços, os mesmos reabriram a 13 de fevereiro de 2016.

A entrada vai passar a ser limitada a 3.500 pessoas por dia. E a entrada vai custar 1€. As reservas podem ser feitas online numa plataforma – veja aqui.

São 8,7 km de passeio, entre Areinho e Espiunca, passando por bosques, escarpas, praias fluviais (Areinho, Espiunca, e pelo meio, a praia do Vau) e, pelo meio, com aprendizagem de biologia, geologia e arqueologia. O percurso é feito em passagens de madeira mas também com alguns troços em terra batida. Tudo grátis e disponível o ano inteiro.

Mais abaixo podem ver um vídeo e um mapa dos Passadiços do Paiva.

Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

12 coisas que tem de saber sobre os Passadiços do Paiva

1 – Duração Média: 2h e 30m

2 – Nível de Dificuldade: Alto

3 – Vai passar por cinco geossítios do Arouca Geopark: Garganta do Paiva; Cascata das Aguieiras; Praia Fluvial do Vau; Gola do Salto; e Falha de Espiunca.

4 – Pode aproveitar para se refrescar numa das praias fluviais, por onde passa o trajeto. Há também bastantes sombras pelo caminho.

5 – Pode observar a biodiversidade do local, com espécies em vias de extinção na Europa.

6 – Neste passeio encontra mais de mil anos de história.

Mapa Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

Mapa Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

7 – Segundo o Site Passadiços do Paiva, o percurso no sentido Areinho – Espiunca é o menos exigente, a nível físico. No caso de ida e volta, recomenda-se começar o percurso pela Espiunca

8 – Sabia que. entre a praia do Vau e a atual ponte suspensa, existiu outrora um porto para a barca que fazia a ligação entre Canelas e Alvarenga? Ainda hoje se pode ver parte da casa que alojava o barqueiro.

9 – Para partir e descansar: nas extremidades dos passadiços estão cafés (com refeições rápidas e as casas de banho) e parques de estacionamento.

10 – Apesar de o nível de dificuldade ser alto, com desníveis acentuados, há muita gente que faz um trajeto e depois pode apanhar um táxi para regressar a casa, ou ao início.

11 – Há telefones SOS pelo percurso, no caso de alguma emergência.

12 – O Rio Paiva nasce na Serra de Leomil e desagua no rio Douro, em Castelo de Paiva. É um dos rios mais limpos da Europa e local de desova de trutas.

13 – Ponte de Alvarenga: ponte do século XVIII, construída pelos anos de 1770, com cerca de 22 metros desde a extremidade superior das guardas à flor da água. O seu arco principal tem cerca de 7 metros de vão.

Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

Passadiços do Paiva © Direitos Reservados Passadiços do Paiva.pt

ALGUNS CONSELHOS

– Ande em grupo e sempre de dia
– Se encontrar obstáculos (como, por exemplo, derrocadas de terra e pedras) não os contorne. Volte para trás pelo mesmo percurso
– É proibida a circulação de bicicletas, motociclos ou outros veículos motorizados, assim como carrinhos de bebé não são aconselhados devido aos troços de terra e escadas
– Animais domésticos podem entrar mas sempre com trela
– Leve água consigo e não deixe o lixo no caminho
– Leve calçado confortável para caminhar
– Coloque e leve protetor solar e chapéu, principalmente em períodos de sol intenso
– Sugestão: se viajar em grupo deixe carros nas duas extremidades. Assim poderá fazer apenas um trajeto (8,7 Km), fazendo as paragens que quiser relaxadamente.
– Nota para quem tem vertigens: não tem que atravessar, obrigatoriamente, a ponte suspensa

Mais informação no Site dos Passadiços do Paiva
Facebook Passadiços do Paiva

Comentários

Poderá também gostar de

Regressar ao topo