Corunha
Publicado em Janeiro 15, 2014

De Autocaravana na Galiza

Espanha [ Autocaravana/ Galiza ]

Este texto podia ser a primeira parte de um guia intitulado “Autocaravana para totós”… E, vendo bem, até é! Aqui fica a primeira experiência, de uma viagem, ao volante de uma autocaravana.

Escolhemos fazer quatro dias de viagem (aproveitámos uma promoção de “pague 2 dias e desfrute de 4”) para conhecer parte da costa da Galiza. Nas três noites, parámos em: Sanxenxo, Corunha e Cabo Finisterra.

Autocaravana na Galiza

De Autocaravana na Galiza

Quando fomos

Partimos na primavera, uma semana antes das férias de Páscoa. Se não gosta de confusões esta é a melhor altura. Não há filas e há sempre lugares de estacionamento (principalmente grandes, para parar uma autocaravana).

O único inconveniente, desta altura do ano, é que os parques de campismo, dos locais por onde passamos, estavam ainda fechados. Só abriam para a época na Páscoa e verão.

Ora, isso não chegou a ser um problema porque fomos parando consoante a necessidade. Tivemos sorte com o tempo e apanhamos sempre um sol fantástico, já a convidar a experimentar as águas espanholas.

Esta viagem foi realizada antes de colocarem (ainda) mais portagens em Portugal, nas ex-SCUT. Por isso, em Espanha ficou mais caro andar na estrada do que em Portugal. Se fosse agora, seria ao contrário. Outra coisa importante: a autocaravana tem classes diferentes em Portugal e Espanha,.

Vejam se está tudo a funcionar bem, antes de arrancarem com a autocaravana do local onde a alugaram. Abram e fechem portas (tivemos um problema com uma janela que teimava em não fechar), janelas, torneiras, etc Se existirem alguns truques, descobrem-nos logo no local.

SANXENXO

Sanxenxo

Sanxenxo

Partimos do Porto e a primeira paragem foi feita em Sanxenxo. Depois de vermos, no posto de turismo, que o campismo estava fechado, estacionámos mesmo em frente à praia.

Estava quase tudo fechado junto à praia, só um ou dois cafés abertos e pouco mais. O bom de se andar de autocaravana é que acabámos por levar o que precisámos connosco.

Sanxenxo

Sanxenxo

Depois de irmos à praia, surge a primeira experiência de tomar banho na autocaravana. E a grande preocupação é não gastar água a mais.

Mas, ao segundo banho, percebi que o reservatório tem água para duas pessoas, para lavar a louça e ainda sobrava muito!!!

Só um problema com uma janela conseguiu tirar-me do “modo férias” que já tinha ativado.

Abri uma das janelas do lado – esta abre para fora – e não a conseguia fechar. Foi uma hora à volta da janela para a fechar – tinha truque e nós não sabíamos.

Mas, se não a fechássemos era certo que, o primeiro poste ou a primeira pessoa que apanhasse, em andamento, haviam de partir a janela toda! Conseguimos fechá-la e foi uma pequena (grande) vitória! 😀

Sem parque de campismo, acabamos por estacionar mesmo em frente à praia. Como não havia ninguém na rua, estava tudo silencioso e tranquilo, dormiu-se muito bem. O melhor mesmo, é acordar de manhã com aquela vista para a praia e tomar o pequeno-almoço no conforto da autocaravana.

Logo manhã cedo partimos para outro ponto: em direção à Corunha.

CORUNHA

Corunha

Corunha

Para quem conduzia uma autocaravana há um dia, andar no centro da Corunha consegue ser um pouco stressante. No posto de turismo local, avisaram-nos que não havia um parque de campismo mas que, ali perto, existia um local onde todos os autocaravanistas paravam.

Seguimos as indicações – infelizmente não apontei o nome do local, mas fica a uns 10 minutos do centro – e fomos dar a um espaço onde já estava uma aurocaravana.

O descampado tem água corrente e local para despejarmos as águas residuais. Mas o melhor é a vista para o mar! Tem ainda um café, com esplanada, onde estava pouca gente, mas imaginámos que durante a época alta deve estar sempre cheio – até porque, de noite, e mesmo com poucos clientes, o pacato café transformou-se em discoteca, com música eletrónica até às tantas.

Corunha

Corunha

Ao nosso lado, na outra autocaravana, está um casal de ingleses com um gato. Não estão de férias. É ali que vivem. Fazem isto há anos por toda a Europa. Ele fica na autocaravana a escrever – é escritor – ela dá aulas de inglês no centro da Corunha.

Venderam tudo o que tinham no seu país: casa, carro e outros pertencentes. Aqui, têm tudo o que precisam – incluindo uma sala com televisão, internet, etc.

Todos os dias de manhã, ele lá a vai levar ao centro de estudos, na autocaravana, e depois regressa para aquele pedacinho de paraíso, com vista para o mar. Certamente muito inspirador.

Fica-se a pensar como a vida pode ser assim simples e tão desprendida. É este um dos aspetos positivos de se andar de autocaravana: é encontrar estes espíritos livres, ainda que não prescindam de ter o seu porto de abrigo.

É fácil conhecer quem abandone tudo e passe a saltar de local em local, por todo o mundo, mas eles aqui têm sempre um sítio para onde voltar. Nem que seja uma autocaravana (bem maior do que a que eu aluguei) e que se torne uma autêntica casa com rodas.

De manhã, despedem-se de nós e lá vai ele levá-la ao trabalho. Com o nascer do sol é impossível não ter alguma inveja deles. “É este o despertar deles todos os dias, com esta vista fantástica para o mar”, pensei eu.

Corunha

Corunha

Partimos de novo ao centro da Corunha para irmos conhecer a Torre de Hércules. Lembre-se que – quando quer visitar no centro de uma cidade – tem um carro gigante para estacionar e não vai caber nos espaços normais de estacionamento. Mas como este é um local muito visitado por autocaravanistas tem vários espaços maiores para estacionar.

Almoçámos ainda numa casa de tapas fantástica (Riazor) onde havia um estacionamento perto para autocaravanas também! Já a pensar em quem vai neste meio de transporte!

Pode ainda ver o vídeo junto do funicular da Corunha:

TORRE DE HÉRCULES, CORUNHA

Corunha

Torre de Hércules

O caminho faz-se mesmo junto à costa da Corunha.

Fomos visitar a Torre de Hércules, o único farol inscrito na Lista de Património Mundial da UNESCO, desde junho de 2009. Também é o único farol romano, no mundo, que ainda cumpre a sua função.

Foi construída no século II, reestruturada no século XVII, e tem mais de 68 metros de altura, a partir da sua planta quadrada. Tem 242 degraus, que pode subir e ter uma vista fantástica sobre o oceano Atlântico e costa espanhola.

No site da Torre de Hércules pode ver toda a informação e ainda saber porque tem este nome, baseado numa lenda.

Daí seguimos para o Cabo Finisterra. Pelo caminho, encontramos uma praia paradisíaca.

PLAYA DE ESTORDE

Playa de Estorde.

Playa de Estorde

É a Praia (ou playa) de Estorde.

Tem uma simpática esplanada, restaurante e também uma espécie de hospedaria com quartos onde pode ficar alojado – sugestão obviamente para quem não vai de autocaravana.

Está no Facebook como Restaurante Playa de Estorde.

Esta praia, como podem ver pelas fotografias, está praticamente deserta na altura da Páscoa. Um verdadeiro paraíso! A água? Fria, claro, mas limpinha.

Depois de desfrutarmos da praia, continuámos a viagem, antes que anoitecesse, para estacionarmos no Cabo Finisterra.

Playa de Estorde.

Playa de Estorde

Pelo caminho, encontramos dezenas de peregrinos que fazem este caminho de Santiago. Está, aliás, no Cabo Finisterra o sinal do quilómetro zero do Caminho de Santiago.

Imaginámos que não seja totalmente permitido ir para todos os locais do Cabo… mas quando vimos duas autocaravanas, decidimos que íamos ser vizinhos deles por uma noite.

Eram dois casais alemães, na casa dos 50/60 anos, e um deles já devia estar lá há algum tempo… tinha a roupa a secar cá fora. A vista da “casa” deles era magnífica. Lá me encaixei no meio, sem querer estragar a vista de ninguém.

Cabo Finisterra

Cabo de Finisterra

CABO FINISTERRA

Cabo Finisterra

Cabo Finisterra

Tudo o que precisar de fazer com luz do dia, faça antes do sol se por. Depois disso, fica escuro como breu.

E se não quer andar a gastar demasiada bateria do carro, convém que cozinhe e arrume tudo antes do sol se ir embora. Além de que, jantar com esta vista, e acompanhado pelo por do sol, é do mais espetacular que existe.

Depois do sol ir embora, não se vê nada de nada, a não ser a luz do farol. A rodar a rodar. Mas nada que atrapalhe o sono. Pelo menos o meu…

De manhã, acorda-se com o sol a entrar pelas frinchas das janelas e portas da autocaravana. E ouvem-se as cabras a descerem os penhascos atrás de nós, como se fosse a coisa mais simples do mundo… descer aqueles montes, a saltar de pedra em pedra.

O Cabo Finisterra é um promontório a uma altura de 600 metros. O farol é datado de 1853, mede 17 metros e a sua luz está situada a 143 metros altura acima do nível do mar.

Cabo Finisterra

Cabo Finisterra

O que dizer mais? É um sítio relaxante, de onde não dá vontade de sair. Compreende-se que seja um ponto importante para o Caminho de Santiago. Um ponto que puxa para a reflexão, ao olhar para aquele imensidão de mar.

Nós viemos embora, mas os nossos vizinhos começavam mais um dia: colocam as cadeiras cá fora, ao sol, livro numa mão e caneca de chá ou café na outra. Inspira e… relaxa. É verdadeiramente um local de paz. Passam o dia a ler – se precisam de alguma coisa vão às compras ao centro da Corunha – e fazem da autocaravana a sua casa, viajando pela Europa.

Dissemos adeus ao Cabo Finisterra e estava na altura de arrumar tudo e conduzir de novo até Portugal. Ficou o desejo de voltar a fazer viagens de autocaravana mais vezes!

DICAS

Cabo Finisterra

Cabo Finisterra

Se não souberem a que empresa alugar a autocaravana, envie-nos um e-mail e podemos dar os contactos da empresa onde tratámos tudo.

Leve o número/contacto de alguém da empresa a quem alugou. Se acontecer algo e precisar de ajuda, tem a quem ligar e quem o ajude numa emergência.

Certifique-se que tem algumas ferramentas no veículo – não vá também uma janela teimosa não fechar – como uma chave de fendas, por exemplo.

Foi a primeira vez que conduzi uma autocaravana e é muito simples – difícil é encontrar no centro das cidades lugares para estacionar.

Leve tudo como se fosse acampar, ou seja, com o mínimo possível. Claro que viajar de autocaravana é como montar uma casa: tem de levar louça, roupa de cama, roupa de banho, etc Mas, se encher a autocaravana com muita tralha não vai sentir grande diferença e sentir que está de férias. Claro que, se vir que tem de levar a sua almofada para dormir bem… leve-a sem pensar duas vezes!

Liberte-se das coisas (objetos) para se sentir de férias. Para poupar ao máximo leve a comida, mas se quiser e conseguir estacionar o veículo, pode aproveitar para algumas refeições fora. Na Galiza aconselhámos sobretudo os restaurantes de marisco e peixes. Muito bons!

Cabo Finisterra

Por do sol no Cabo Finisterra

Cabo Finisterra

Por do sol no Cabo Finisterra

Cabo Finisterra

Cabo Finisterra

Comentários

Poderá também gostar de

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Regressar ao topo

Partilhe esta página